sábado, 22 de dezembro de 2018

Entrevista com Patrick Mills, Designer de Missões de Cyberpunk 2077



CDPR Fans: Fizemos a tradução de um artigo/entrevista, feito pela Dualshockers, sobre Cyberpunk 2077. Nele são discutido vários aspectos da história, missões e personagem. Os créditos estão no final do artigo.
Cyberpunk 2077 é dos jogos mais esperados pela galera que curte RPG, considerando que seu pedigree inclui o fato de ser desenvolvido pelo mesmo pessoal atrás da super bem-sucedida franquia The Witcher e a inspiração de um dos mais famosos RPG de mesa de todos os tempos.

Apesar da CD Projekt Red ter finalmente revelado o primeiro gameplay de seu próximo jogo, muito ainda está oculto. Para tentar extrair mais peças desse quebra-cabeça, a Dualshockers falou com o Desenvolvedor de Missões Patrick Mills sobre todo o tipo de coisas de Cyberpunk. 
Giuseppe: Já que você trabalha com missões, vamos começar falando sobre isso. Muitos jogos tendem a criar uma divisão bastante radical entre as missões principais e as secundárias. Você está fazendo algum esforço para fazer essa distinção mais orgânica?
PM: Você viu o que fizemos em The Witcher 3: tentamos fazer com que as missões secundárias tivessem, muitas vezes, a qualidade das principais, incluindo histórias com mais de uma hora. Isso é algo que estamos interessados em fazer novamente em Cyberpunk. Nós realmente não queremos que o jogador sinta a diferença entre as missões principais e secundárias. Talvez elas sejam marcadas na tela de um modo diferente, mas nós não queremos que vocês sintam a diferença na qualidade, particularmente em termos de história.Cada uma de nossas missões precisa contar uma história interessante.
G: Como você tem uma certa liberdade ao desenhar seu personagem, as missões reconhecem suas escolhas na criação de V além da óbvia escolha de gênero? Talvez alguém chamando você de “loirinha” se você tem cabelo loiro ou algo do tipo?
 PM: Certamente, e não apenas sua aparência, mas as escolhas que você faz também afetarão as coisas. Para te dar um exemplo -isso não é algo presente- talvez a forma com que você resolva uma missão...Se você a completa sem lutar e mais tarde você precisa da ajuda de algumas pessoas...Se você resolveu a missão na briga, aquelas pessoas irão lembrar e dirão “Na verdade, você atirou em um de meus amigos na semana passada. Não irei te ajudar.” Por outro lado, se você não lutou, talvez eles te ajudem. Mas sim, o jeito que você se veste, que você customiza seu personagem, nós queremos que o mundo responda à essas coisas.
G: Então se você se veste de uma certa forma, NPCs te tratarão diferente? Isso é bem raro. 
PM: Já foi feito de forma limitada em alguns outros jogos. Alpha Protocol  fez isso algumas vezes e também lá atrás em Daggerfall.



G: Em muitos RPGs, especialmente os de mundo aberto, tudo parece congelado no tempo. Não importa o quão urgente algo é, você pode vagar por dias e fazer aquilo no seu próprio tempo. Há algum tipo de passagem de tempo em Cyberpunk, além do ciclo de dia e noite?
PM: Espero que consigamos passar isso. Isso é parte da imersão do mundo. Uma das coisas que é bastante intrigante sobre Cyberpunk e esse mundo que fizemos é que estão repletos de textura. O que conseguimos fazer – e tomara que consigamos entregar – é um mundo onde essa textura muda conforme o tempo, não apenas em resposta às suas ações, mas também respondendo à passagem do tempo. O jogo acontece na California, então não teremos o problema de fazer estações, ainda bem. [Risos]
G: Vocês mencionaram o multiplayer em algumas ocasiões, e eu sei que você não me dizer nada específico. Cyberpunk 2077 é inspirado em um RPG de mesa, e eu sempre imaginei o porquê de nenhum desenvolvedor simplesmente criar um simples ambiente virtual sem combate ou gameplay, mas onde as pessoas pudessem visitar com seus personagens customizados e participarem de um RPG de mesa clássico com texto ou até apreciando a fantasia e a história. Talvez um bar ou algo parecido? Eu acho que muitos gostariam de algo assim, que seria na verdade um espaço de RPG virtual baseado no game.
PM: Eu não sei se essa discussão aconteceu alguma vez, mas sou um desenvolvedor de missões então essa não é minha área. Nós temos sim uma pesquisa e desenvolvimento de multiplayer rolando. Nós iremos entregar um jogo single-player, mas veremos o que acontece depois.
G: Isso faz sentido. Eu estive pensando sobre isso por algum tempo, e como um jogador de RPG das antigas, achei que seria legal.
PM:  Acho que é uma boa ideia.
G: Há ambientes destrutíveis no jogo?
PM: Há uma destruição limitada, mas ainda estamos pesquisando o quão longe podemos chegar com isso. Na demo, quando as balas estão voando as paredes são despedaçadas e coisas do tipo. Ainda estamos trabalhando no quanto conseguimos fazer disso. Na demo foi fácil de controlar, mas quando você começa a construir o jogo, você pode descobrir que algumas coisas do tipo acabam quebrando outras coisas ou até que os recursos de memória são necessários em outro lugar. É algo que temos interesse em ir atrás e veremos como vai funcionar.



G: Cyberpunk 2077 acontece 50 anos depois do jogo original, o qual tinha a sua própria tecnologia e cibertecnologia. Foi um desafio traduzir o nível de tecnologia de 2020 para um período distante?
PM: O que decidimos, na verdade, foi replicar a sensação de jogar 2020 no 2077. Ao invés de fazer uma continuação de 2020 50 anos depois, o que traz uma variedade de problemas interessantes, movimentamos algumas coisas na linha do tempo e reinterpretamos alguns eventos para evitarmos esse dilema problemático.
G: O primeiro trailer do jogo mostrou uma moça com garras em seus braços. Ela é um personagem real que aparecerá no jogo?
 PM: Nós não Podemos falar disso ainda.
 G: Ela é bem interessante.
PM: Ah, ela é bem legal. É uma personagem muito legal…
G: Então ela é um personagem. Você meio que se traiu agora.
PM: Ah, justo! [Risos]. Eu não sei…ela é definitivamente um personagem naquele trailer.



G: Tudo bem. Eu acredito nisso [Risos]. Na E3, vocês revelaram que o game seria apenas em primeira pessoa. Pessoalmente, eu gosto da ideia, mas é claro, a reação foi bem polarizada. Você pode me falar mais sobre o feedback que vocês receberam e se algum ajuste foi feito? A CD Projekt está firme em sua decisão?
PM: Estamos firmes nessa decisão. No entanto, estamos cientes que muitas pessoas não gostam de primeira pessoa e que há um pequeno número de pessoas que não podem jogar em primeira pessoa por uma variedade de razões.
O que espero que consigamos fazer é dar algum opção de dificuldade ou até opções de sensibilidade e talvez esse possa ser o primeiro jogo em primeira pessoa que algumas pessoas irão gostar ou até poder jogar. Nós escutamos o feedback e as críticas. É uma decisão que manteremos, mas queremos que o máximo possível de gente possa jogar o game, então pode haver algumas coisas que possamos fazer nesse sentido.
G: Isso é algo em que o estúdio está realmente trabalhando ou é algo que você espera que aconteça?
PM: Certamente teremos opções de dificuldade e acessibilidade. Eu não sei quais serão. Isso é o tipo de coisa que o P&D tem que descobrir o que pode fazer, e está bem longe.
G: O jogo está bem distante, certo?
PM: Nós estamos…razoavelmente no início do desenvolvimento. O que você vê aqui é bastante legal, mas...
G: Essa é uma demonstração?  
PM: Eu não definiria como uma demonstração. Você poderia, mas eu não o farei.
G: Essa é uma parte atual do jogo?
 PM: Sim, é uma parte do jogo e é por isso que não chamo de demonstração. O que você viu aqui é do começo do jogo. Poderá ser diferente de como você viu agora, mas é parte do jogo.



G: O ciclo de dia e noite é totalmente dinâmico ou há partes da história que determinam a hora do dia?  
PM: Algumas partes da história irão exigir que seja dia ou noite. Como iremos manejar isso é algo que não posso dizer no momento.  
G: Então haverão missões que exigem, por exemplo, que você espere pela noite?
PM: Sim. O fizemos em The Witcher 3 e faremos novamente aqui. No The Witcher 3 às vezes haviam alguns fantasmas que apareciam à noite, então você deveria procurar à noite. Nesse caso (Cyberpunk 2077), talvez haja alguma festa que você tem de ir e festas não acontecem de manhã cedinho. Ela terá de ser à noite.
G: Cyberpunk tem um histórico de ser bem politicamente incorreto. Qual é a posição de 2077?  
PM: Eu acho que o importante é que se você vai dizer algo, e sabe o que quer dizer, então deve estar disposto a se manter firme com sua opinião. A pior coisa que você pode fazer é dizer algo por acidente quando você não queria dizer aquilo. Se você está disposto a dar sua opinião, “isso é o que iremos fazer” e você se mantêm firme nisso, creio que seja algo que todos nós faremos.
G: Na literatura de Cyberpunk a objetificação era algo bastante importante na descrição de um futuro distópico. Vocês estão utilizando a mesma estratégia para descrevê-lo? 
 PM: Esse é um mundo em que o Sistema e os poderes existentes objetificaram as pessoas e as transformaram, literalmente, em objetos. Muitas vezes as pessoas transforma-se em objetos para rebelar ou para adequarem-se. Certamente a objetificação será um tema principal.



G: Haverá prostituição no jogo? 
PM: A prostituição certamente existe em Night City. Não sei dizer se você será ou não capaz de interagir com as prostitutas. Certamente em algum nível, já que há prostitutas na cidade.
G: Há algum elemento de gameplay emergente? Quero dizer, algumas coisas sistêmicas que acontecem mais como um resultado das ações do jogador do que de um comportamento roteirizado?
PM: Haverá alguns elementos disso. Seria muito cedo para dizer algo sobre um sistema de interação de alto nível e nós preferimos fazer conteúdo à mão. Dito isso, nós estamos criando uma cidade cheia de conteúdos e um monte de coisas para se ver e fazer, então a sua experiência individual será diferente da experiência individual de seus amigos.
G: O quão livre é a liberdade de exploração na cidade? Tudo é acessível a qualquer tempo e todos os distritos estarão abertos desde o começo?
PM: É muito cedo para dizer.
G: Você tem alguma ideia do quão grande é a cidade, talvez em comparação com The Witcher 3?
PM: Ela é grande, mas é difícil compará-la com The Witcher por que este é uma paisagem grande e reta. Night City é muito, muito vertical.  



G: É comparável, em tamanho, a uma cidade real?
PM: Deixe-me dizer de outra forma: quando dirijo por Night City, ela realmente parece uma cidade real. Não aparenta ser uma cidade em miniatura.
G: Quanta liberdade você tem para desenvolver V como personagem antes de começar? Haverá opções de passado/experiência que você pode escolher?
PM: Certamente. Tenha em mente que a demo ainda é um trabalho em progresso. Cyberpunk 2020 tinha o sistema de caminho da vida. Nós temos algo similar e que não afetará somente o começo do jogo. O objetivo disso é que você entre na pele da personagem antes do jogo começar e haverá consequências durante a história.
G: Vocês tem algum sistema em funcionamento, ou sendo feito, para auxiliar no entendimento da ambientação fora das conversas e da história? Estou pensando em algum tipo de codex, talvez hiperlinks nos diálogos que trazem alguma explicação da lore?
PM: Ainda estamos trabalhando nesse sistema, então qualquer coisa que eu te diga pode mudar. Temos algumas ideias para esse tipo de sistema e teremos mais coisas para contar posteriormente.
G: Há muito que aprender e a ambientação não é a mesma que os fãs estão acostumados.
PM: Há centenas de coisas. É importante deixar o jogador entender o mundo e mergulhar nele para que eles consigam jogar o personagem.



G: Quanto de 2020 estará presente em 2077? Encontraremos as mesmas corporações 50 anos depois?
PM: Com certeza. Fui um jogodor do 2020. Quero que vocês possam reconhecer em 2077 um monte de coisas, mesmo que haja coisas novas que estaremos trazendo, particurlamente em relação à história e missões. Estive falando com Mike Pondsmith na E3 sobre como isso é parecido com ser um mestre de um RPG de mesa. Você lê os livros, os processa e então adapta para os jogadores. Isso é muito similar com que estamos fazendo agora, mas ao invés de ter quatro caras ao redor de uma mesa nós temos milhões de pessoas.
É uma adaptação. Nossa adaptação, mas vocês reconheceram muitas coisas.
G: Vocês criaram uma linha do tempo entre 2020 e 2077?
PM:  Sim, nós temos uma. Ainda não falaremos dela, já que ainda estamos trabalhando nela.
G: Vocês irão publica-la?
PM:  Não sei se ela sairá antes que o game seja lançado, mas vocês definitivamente verão algo do tipo no jogo.
G: Quanto Pondsmith contribui para a história do game? Quanto ele lê ou checa?
PM: Pondsmith é um ótimo recurso. Por exemplo, se você quer saber sobre Kerry Eurodyne… Se você quiser saber mais de sua história você não a encontrará nos livros. Se você perguntar ao Pondsmith sobre isso ele te mandará algumas páginas dizendo quando ele nasceu, o que aconteceu com ele, o que fez antes de 2020 e o que fez depois. Ele dá a você tudo isso.  



G: Então ele é bastante presente para ajudar vocês.
PM: Ele é realmente presente e acima de tudo nós fazemos um monte de coisas com ele. O seu conscentimento significa muito para o processo. Há alguns desacordos ocanionais, mas isso faz parte do processo criativo.  
G: Quem ganha?
PM: Depende.
G: Ele é aberto a mundanas?
PM: Certamente, ele tem sido incrível.
G: Há uma grande diferença entre trabalhar com Podsmith e Sapkowski?
PM: I Eu não conseguiria dizer a você, já que não trabalhei com Sapkowski, mas eu certamente amo trabalhar com Pondsmith.
Artigo original de Giuseppe Nelva, da Dualshockers
Link: https://www.dualshockers.com/cyberpunk-2077-interview-ps4-xbox-one-pc/

2 comentários:

  1. It is sort of|a sort of} things that you must speak to an skilled about to get right. On prime of that, buying a factory machine with just a little best white gel pen information by yourself may flip your cash into a foul funding. Plastic moulding just isn't only sensible but in addition a sustainable method that decreases ecological penalties. In a lot of the instances, want to|we have to} assemble the machine relying on the user’s requirement. The machine doesn’t warmth so incessantly and seems to wish much less upkeep. Hybrid Injection Molding is your answer if you want to|if you would like to} gain high-quality output, saving bills at the similar time.

    ResponderExcluir
  2. Many people may be be} playing greater than they'll afford, and the big payouts also lure unsavory "hyena" sorts 포커 into the playing halls. Or pachislot from the phrases "pachinko" and "slot machine", are a descendant of the standard Japanese pachinko game. Slot machines are a fairly new phenomenon and they are often discovered mostly in pachinko parlors and the adult sections of amusement arcades, identified as|often recognized as} game facilities. Taste is a reference to the small amount often paid out to maintain a participant seated and repeatedly betting. Only rarely will machines fail to pay even the minimum out over the course of several of} pulls.

    ResponderExcluir